Domingo, 25 de Novembro de 2007

renascer...



toda Tu

imensa És

tão grande Poetisa

do nada

teu verso amor

se eterniza

rio de onde havemos

hoje renascido…

 

se a minha voz for

brisa que agora sintas

sussurrando ao ouvido…

a minha mão sentires, quente,

instigando o verso

 

serei…

tentando apenas

compreender a dimensão desse

universo que encontrei

em tua poesia

 

quero-me exangue!

extinto o fogo e

a água que somos

no coração da terra

quero olhar contigo a maresia

e renascer no amor

que ainda se espera!



imagem: Jeannie McGuire

publicado por Latitudes às 00:33
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De ana a 25 de Novembro de 2007 às 01:29

Que bello poema... que bella inspiración... que romanticismo...

Me dejaste ploppp, emocionada :)


Lindo homenaje, mario,

¿Quién será esa musa?

Que tanto te alborota....

¿sera yo?

Yo espero que tenga que ver contigo.
estó muy contenta con tu regalo.

Besito
Anavilaa@gmail.com




De Anónimo a 25 de Novembro de 2007 às 03:16

Mário,

Gosto do seu estilo de escrever, abusado, ousado, quente, doce.

Ácido!

Poeta, tu és feito do pólen da flor que brota suada.

Queria (apenas) abraçar, abraçar.....


- que o teu/meu domingo tenha os depoimentos do mar.

Parabéns a moça do (comentário à cima) merecedora do poema ahã...!
…………

Um outro lugar para sonhar.

Comentar post

.João Ramos


. ver perfil

. seguir perfil

. 5 seguidores

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


.... com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS