Quarta-feira, 7 de Outubro de 2009

poeta e artesão...

 

poeta e artesão

lavrador de opinião

escultor de ideias contrárias

algumas de igual corrente…

arquitecto de cabanas

cadeiras mesas e camas…

e outros mais acessórios

de tamanha serventia…

gaiolas? quando as fazia

e pombais prá passarada

sem saber que a poesia 

não se faz numa jornada…

poema em construção

de madeira ou de betão…

 

e se tiver um ferro à mão

também se constrói mobília

ou se faz dele instrumento

para acompanhar a canção…

pescador de solidão

de amor que sonha seu rio

a vida por onde corre…

onde nasce e se consome

aquilo porque se morre…

 

publicado por Latitudes às 11:51
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De adesenhar a 7 de Outubro de 2009 às 15:54
ora muito bem
meu caro amigo
poeta dos sete ofícios
se tinhas dificuldade
com a broca nos orifícios
de tanto furar e não encontrar
devo dizer-te
sem receio de falhar
que,
com este poema
encontraste um fio condutor,
ou seja
sem rodeios e sem mais blá blá,
gostei desta vertente poética.

abraço amigo


De Edson Marques a 8 de Outubro de 2009 às 15:56
Lúcidos os teus poemas.
Brilhantes!


Abraços, flores, estrelas..
De ceu dias a 11 de Outubro de 2009 às 20:53
O poeta dos demais ofícios...continuas único...bjs e abraços
De manuela a 20 de Outubro de 2009 às 02:51
Ai João Ai João que saudades eu tenho do teu violão do Vinho Fino das cavacas e dos bonbons no Natal da exposição e da canção tao especial. Beijo Grande João. Tamos Aí!
De manuela a 20 de Outubro de 2009 às 02:56
... e agora mesmo à Manela rectifico
Ai João Ai Joãaaaao que saudades eu tenho do teu violão, do Vinho Fino, das Cavacas e dos BomBons no Natal, lembroa exposição e a canção tão especial. Beijo Grande AMIGÃO, Tamos Aí! Boa Semana.

Comentar post

.João Ramos


. ver perfil

. seguir perfil

. 5 seguidores

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


.... com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS