De maré a 4 de Janeiro de 2009 às 11:29
e deixa-me encontar na tua noite o refúgio e uma esperança
.
.
.
flor a que aspiro
na eterna brevidade em que nos somos

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.