Domingo, 17 de Agosto de 2008

intensamente!...

 

bendita a que intensa(mente)

se oferece ao amor que se crê impossível...

em nome do que possível se sente tão verdadeiro

como o que se toca...

palavra em verso... mãos e boca...

que diz e desdiz esse beijo...

lugar onde a pele se fez

campo de ternuras involuntárias...

incontidas e desmedidas...

alma tua... amor meu...

quem saberá o que de teu

me foi destinado?...

publicado por Latitudes às 14:49
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Lampejosh a 20 de Agosto de 2008 às 05:54
Poeta,

Bendito aquele que com suas palavras...
recria passagens tão certas dos sentimentos.
.........
Que o amor destinado a ti.... esteja entre rajadas de ventos eternos no teu “campo de ternuras.”
.........

Bendita seja a tua inspiração na poesia tão rica neste espaço onde cheira gerânios e girassóis.

[obrigada pela leitura de tão belo poema]

(a)braços e flores :)
De Anónimo a 20 de Agosto de 2008 às 14:12
Deixa-me parabenizar-te por tão belissímo poema.
Beijinhos.
De Night rose a 24 de Agosto de 2008 às 23:27
Há algum tempo que leio, releio, tão belas poesias!
Esta, emocionou-me um pouco mais pois a um Amor me ofereço "(intensa)mente" e toda eu, em toda a minha plenitude, a Ele me entrego!...

Palavras tão bem desenhadas, pintadas com pincéis em ouro embebidos, esculpidas com diamantes,..., são escritas, neste blog!

Parabéns, João Ramos!

Abraço com votos de felicidade!
De Cristiane a 25 de Agosto de 2008 às 22:00
"bendita a que intensa(mente)
se oferece ao amor que se crê impossível... "

Lindo, sou assim..intensa!

Boa semana!



De Nanda a 23 de Dezembro de 2008 às 14:25
Parabéns meu admiravel Poeta...
Amo ler tudo o que escreves e o que cada palavra me faz sentir...
Abraços e Flores

Comentar post

.João Ramos


. ver perfil

. seguir perfil

. 5 seguidores

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


.... com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS