Domingo, 19 de Outubro de 2008

primeiro livro...

  

 

 

   

 

ausência...

 

ainda que por vezes

te consiga ausentar...

e pareça adensar o vazio

da solidão em que me encontro

 

és tu que preenches

todo o meu devasso esquecimento

 

 

Olá Amigos,

 

… tenho vindo sistematicamente a adiar a edição do meu primeiro livro “Vazio (ausência onde nos encontramos)”, neste momento em fase de conclusão editorial.

Chegou a hora de realizar esse projecto. Uma obra íntima, intimamente ligada à génese deste pequeno poeta que teima em dizer poesia… breve!... por breve que seja a sua inquietude no seu prolongado encantamento… uma edição de autor sem qualquer tipo de apoio institucional… Mas, o Amigo é uma das mais nobres instituições... A vós recorro… para que o meu próximo livro seja, desde já, possível…

Poderá este ser, também, um presente para oferecerem a um amigo, à namorada ou ao namorado… pai, mãe, prima ou avó… numa qualquer data que sintam e queiram especial.

Poderão sugeri-lo a outros amigos e encomendá-lo através do meu endereço latitudes@live.com.pt

 

o meu eterno agradecimento...

 

segue-se um texto introdutório (pág1 do livro). 

 

A viagem começa num lugar comum em direcção ao interior inexplorado da alma que possivelmente não conseguirei tocar.

Apenas as palavras possibilitarão a descoberta desse caminho tão pleno de emoções. 

 

 

Em eterna viagem; em constante procura… a infindável espera e o vazio, no durante que é (toda a vida) a ausência onde nos encontramos.

 

A sincronia; a obsessão pela exactidão cósmica revelada pelo beijo do colibri à flor tão exacta; tão presente; tão plena de cor e sedução que nos retém no deslumbre, também obsessivo, como paixão que nos toma para toda a vida.

 

 

A água: elemento que transporta consigo a transparência liquefeita das memórias, dos anseios… flui. Em percursos ou esperas ininterruptas, hidratadas pela melancolia do olhar…

 

 

Na migração dos pensamentos, os regressos à ternura feminina como horizontes que não cansam os olhos mais contemplativos. Uma ligação embrionária à génese do Homem. Regresso à solução amniótica que nos protege: o único paraíso!

 

A precariedade da posse contrasta com a solidez da verdade exequível do poema.

E o tempo… imparável. Tudo e nada detém… apenas purifica…

publicado por Latitudes às 20:07
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 4 de Outubro de 2008

os sons da poesia que somos...

 

porque no silêncio
eu trago inscritos
os sons da poesia que somos...

porque a música que fomos
preencherá o vazio lugar
onde nos encontramos...

porque o sítio onde ficamos
será sempre distante
do abraço que nos fundiu...

porque a Primavera existiu...
e o Outono nos abraça ainda
nostálgicos e com saudade

porque o amor é de verdade
e nunca saberemos onde o encontrar...
...



imagem: pescada na rede

por: um pescador de sonhos

publicado por Latitudes às 20:46
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito

.João Ramos


. ver perfil

. seguir perfil

. 5 seguidores

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


.... com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS