Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

um abraço amigo...

 

Resposta dialéctica à poética de João Ramos

por Luís Nóbrega

 

 

Não é por haver ramos, e até muitos, que se poderá podar às cegas.

 

Ainda hoje falávamos das varas, das hastes, dos rebentos descobridores que são como antenas sensíveis da terra-mãe. Enfim; eu dizia, com a minha pseudo-incongruência rural que às vezes passa por conhecimento vegetal, intuitivo, é claro, dizia então que se devem cortar os torcidos, os meleados e os ladrões, (e depois falo contra os ditadores), mas mesmo que se cortem nos trâmites da arte e atendendo à especificidade cástica das cepas centenares parece que nada resiste à “cáustica genética” trespassando a constancidade do “pesadelo”. O teu, e o nosso também quando no-lo mostras.

Consciente de uma memória quase esmagadora, feita de vácuo peso irrespirável, já quase desistente de “acordar corações” mas que ainda ilumina azuis esfomeados de gente de olhos, de olhos em frente.

Em frente, a urgência parece ser cada vez mais quando... quando se corre, se grita, se procura uma vitória colorida, e se luta rodeado de repressão colectiva, electiva, contra a pose espampanante da vaidade, aqui a «certeza» torna-se viagem vã e estéril, “cada vez mais” inicias “Latitudes”, com longitudes e marcas rotas num mapa astral onde a viagem, a tua, leva ao sono dos cansaços com sorrisos que se ouvem.

Ouviste então a gente que não foge de ser só gente e olha de frente a criança que ainda não soube ser.

“então”; “frente a frente” remexendo, remoendo labirintos de caminhos cruzados em momentos quase parados porque “há janelas deformadas pelo tempo” no renovar da imagem o espelho vibra convexo, desconexo de desistências, complexo de vontades e é precisa toda a coragem para chegar até ao sorriso.

Ah! Também comes, bebes, e dormes e o mais que é preciso para ter uma utopia. São os ramos meleados de, sei lá, um dia, dois, de toda uma primavera, que só sonhavam em ter algumas folhas encostadas à telha antiga. Uma utopia de frescura mineral.

São viagens tais como as das “mãos impossíveis” que te acompanham as sedes, as fomes, em tudo em volta, o que gira, o que há, o que achas longe, o que com a “débil palavra” gritas, gritas.

Talvez para “nunca sentir o Inverno”.

No entanto, num movimento infinitamente mineral encontras harmonias. Porque pressentes ausentes de rostos marcados, paralíticos da alma, tão impenetráveis e duros que achaste melhor e mais alto ir “escrever pedra”.

Que “situação”!?

Novamente insistes no azul. Na tepidez da ternura feminina; depois serena; depois cálida; ternura húmida, tens razão: o húmus é tudo, é terra palpitante, é fonte de todos os sabores, de todos os cheiros, dos únicos gestos verdadeiros, é, acima de tudo, a própria vida (com vida própria), esperança que importa repetir. Insistamos na esperança.

(em resposta caquéctica à arte poética do Ramos, ripostamos: - “os homens “ não “estão desertos”, estão sozinhos em espaços terrivelmente abertos e têm medo de soltarem gritos certos.)

As “gentes pequenas” podem ter as montanhas que lhes dás, que lhes inventas, que sonhas e contas, que fotografas do cimo das nuvens mensageiras, com as quais passas com as tuas “asas verdadeiras” e então entregas à gente “montanhas inteiras”.   

(Poeta não serás? Então que dirás?)

Que dirás quando as palavras não tiveram dedos, nem mãos, nem braços, nem língua, nem pernas, nem narizes, nem pestanas carregadas de letras e mais letras repetidas, renovadas, redimidas, reparadas e ás vezes paradas mas

Poeta serás sempre em qualquer dia enquanto houver um gesto que te “invada poesia”.

Só é quem se permite ser, por entre incertezas, verdades amargas, ilusões, solidões, sensações, decepções, alegrões, chorões, (lá estou eu com a mania dos rimões), não, não e não, afinal, mas sem final, só sente quem se consente sentir. O tempo que diga o resto.

Que é isso de te expropriarem um silêncio?

Por mais águas que passem e que os lugares mudem jamais conseguirão amputar-te os regressos.

(É uma frustração não saber falar de amizade, vou andando, se podendo vou-me podando.)

Os amigos deveriam ser como as árvores, crescem, morrem ou definham à sombra de um qualquer muro que a vida lhes pôs ali, também se transformam, mas, renascendo, em cada primavera volta, intacta, a memória de cada nervura de cada folha, de cada verde, do mesmo verde, da mesma dança com o vento, do mesmo fruto com o mesmo sabor

 

publicado por Latitudes às 20:25
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Anónimo a 29 de Novembro de 2007 às 01:08
Mário,

Ao ler sua mensagem (resposta dialética) parei para refletir!

Acreditava que chorar junto era a maior cumplicidade que existia.
Agora sei que ler pessoas assim também é uma cumplicidade tamanha...

Minhas mãos querem te vestir de ternura transparente.

Em [ti] são fortes os contrastes.

Sempre que venho aqui me perco na suas emoção!

(a)braços poeta :)

Um outro lugar para sonhar

De Latitudes a 29 de Novembro de 2007 às 08:47
impossível conter a lágrima
ao reler estes dizeres de amigo;
esta manifestação de afecto
impossível de retribuir
com a mesma arte.
a este abraço amigo, responde
o sal que cristaliza de saudade
brotando liquefeita…

Poeta Irmão Amigo
estarei sempre contigo!
De Nanda a 30 de Dezembro de 2008 às 15:34
As lágrimas caiem teimosas...
Sempre que aqui venho perco-me nas tuas palavras e emoções...
Não consigo encontrar forma de te expressar a cumplicidade, paz e felicidade que me transmites...
Lindo ver as manifestações amigas e justas que te fazem...
Sinto-me completamente redida...
Parabéns Poeta, Amigo!
Abraço

Comentar post

.João Ramos

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

oferecido por...(clica no selo)

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS