5 comentários:
De CARMEN a 13 de Novembro de 2007 às 01:01
gostei muito do texto chama a minha atenção.
tenho uma blog gostaria de receber a tua visita.
Beijos de CARMEN!!!!
De CARMEN a 13 de Novembro de 2007 às 01:04
Vi teu blog no HI5 ok.Bjs!CARMEN!!!
De Anónimo a 13 de Novembro de 2007 às 15:34
Mário,

É imaginável essa colisão das rotas de colisão presentes no tempo que não se estende.
Leio para compreender a lasca do vento perdido ou da própria tempestade.
Ou se crio rota por entre tuas letras.

(a)braços.

Outro lugar para sonhar.
De Anónimo a 14 de Novembro de 2007 às 13:49
Mário,
P.:S:Refazendo meu comentário de ontem,porque me embaralhei toda.Vc não deve ter entendido nada!(rsss).

É imaginável essa colisão das rotas presentes no tempo que não se estende.
Leio para compreender a lasca do vento perdido da própria tempestade ou se crio rota por entre tuas letras.

(a)braços.

Outro lugar para sonhar.

De Angell a 14 de Janeiro de 2014 às 18:08
Onde
o céu e a terra
se unem...
esse mar imenso
onde embarcas e
onde navegas...
em rota de colisão
com um outro
qualquer horizonte
que não o meu.... mas de todos.
Derivas com exactidão na linha incerta
é essa a rota a seguir!

Comentar post