Terça-feira, 20 de Outubro de 2009

Latitudes...

 

a situação levou-me a sair

de latitudes mais baixas e

a procurar abrigo em latitudes

menos poluídas de gente, que não é...

 

as rochas desagregadas,

movimentam-se lentamente

ao som dos guizos das cabras...

Pastor !...

 

pastam meus olhos

e meus ouvidos, buscando

a melhor forma de escrever pedra,

de a perceber dura,

de a sentir vida!...

 

a cidade é bem mais calma

vista a esta distância.

a sua dureza e a sua esterilidade

agigantam-se, sombrias.

olhos tristes os que só longe

vos conseguem calma.

fachada hipócrita essa,

visão enganosa que vos tolhe a alma.


imagem: dariusz klimczak

publicado por Latitudes às 09:31
link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De Latitudes a 20 de Outubro de 2009 às 10:53
o recolhimento volta a fazer sentido …
este blogue nasceu de um encantamento
e cristaliza por desencanto…
“os homens estão desertos…
amar o quê?”
agradeço a todos
o carinho que lhe foi dedicado
abraços e beijos
De Nanda a 20 de Outubro de 2009 às 21:54
Tu és um Grande Homem e Poeta...

por um desencantamento não deixes de nos maravilhar com a beleza infinita das tuas Palavras e Amizade...
com uma profunda Admiração...

Abraços e beijos
De Pétala a 31 de Outubro de 2009 às 15:46
Não sei gostas muito de selinhos, mas enfim, guardei um para ti lá no meu blog. Vá ver, de repente, gostas!

Beijos e pétalas.
De Latitudes a 4 de Novembro de 2009 às 21:24
“Ofereço o selinho também para João Ramos, que seria Pablo Neruda, pela intensa paixão com que fala sobre o amor. Ah, o amor romântico..., dói senti-lo em toda a sua plenitude. Mas não existe viver sem tê-lo sentido pelo menos uma vez.” Pétala

fiquei sensibilizado pela distinção que atribuíste o meu blogue... e embora muito longe da auréola de Pablo Neruda...
insisto no amor... porque... "é no beijo quente feminino que me sonho eternamente pequenino"

obrigado Pétala
abraços beijos e muitas pétalas de poesia

e porque, quase sempre, somos tão breves…
recordo..

“não importa
por quanto e o que esse tempo
nos possa conceder
vivamos com intensidade
este amanhecer
sem anteciparmos culpas
pelo que de nós… possa levar
vivamos como se frágeis nos
pudéssemos quebrar
à ausência desse encantamento…
vivo! como se frágil me pudesse
quebrar à ausência da tua floração
certo de que irá
permanecer doce essa brisa
em nosso pensamento
por muitas mais
polinizações”
De Perla a 4 de Novembro de 2009 às 00:55
Por vezes é mesmo necessário um retiro. um afastamento da poluição. um encontro a sós com o nosso eu. esquecer tempestades. apagar tormentas. vencer marés. e regressar. curado.

Beijos
De Latitudes a 4 de Novembro de 2009 às 21:08
espero ter merecido e
continuar a merecer as vossas carinhosas visitas...
a incerteza do regresso... assume-se, à partida,
como um até já...
a nostalgia do adeus...
a esperança de um até sempre
a estas latitudes...

abraços e beijos
De adesenhar a 9 de Novembro de 2009 às 23:44
descansa e regressa renovado.
este fim de semana foi para o tecto,
o copo e as castanhas de S. Martinho
ficam para o próximo Domingo.

abraço amigo
De maré a 15 de Novembro de 2009 às 23:38
espero que não João
que de volta a este post, este não seja um caminho de adeus. os estiletes são aço afiado, mas tudo se renova.

eu renovo o desejo de breve ausência

um beijo
De Latitudes a 30 de Novembro de 2009 às 20:07
Latitudes…um mês depois…
um destino ainda procurado
apesar de longitude inconstante
há ainda quem acerte na coordenada
geodésica da poesia meridional
onde me situo…

obrigado!
De manuela a 14 de Dezembro de 2009 às 03:57
?????????????????????????????????? Então que se passa???????? Não deixes que a traça tua alma desfaça ............E que essa gente sem raça faça mais lixo na praça ........porque ao meu cão tiro já já a mordaça... hehehe beijo grande campeão olha a luz do lampeão que te deixe ver esta taça.

És excepcional Parabéns pelo teu carisma tão especial.

Comentar post

.João Ramos

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

oferecido por...(clica no selo)

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS