Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

Tempo de viver...

 

nasce um tempo novo

a cada momento que passa

enquanto por nós o tempo passa

mais nossa vida é escassa…

 

fica o tempo mais novo

roubando o tempo ao povo

sorvendo-lhe a juventude

 

há quem diga que é mentira

que a vida nunca expira

que é essa a sua virtude

 

renovar, refazer, recriar, renascer!

 

no entanto

o tempo por fim…

não ao eu, mas sim a mim

diz-me que o tempo…

 

dá-nos olhos descorados

dá-nos uns rostos lavrados

dá-nos pena… dá-nos pena!

 

dá-nos, enfim, pouca sorte

dá-nos terra

dá-nos morte

 

o tempo sorve-nos!

o tempo verga-nos!

o tempo cala-nos!

 

 

imagem: Sylwia Makris

publicado por Latitudes às 23:30
link do post | comentar | favorito
11 comentários:
De Nanda a 23 de Julho de 2009 às 23:53
...aqui a Poesia é verdadeiramente especial...
Parabéns Poeta... por momentos de indiscritivel beleza...

Abraços e Flores
De Presente, na Ausência a 24 de Julho de 2009 às 01:05
Tu, és a personificação do "tempo": calas-me, com a tua Poesia.

Abraço E.
De Manuela a 24 de Julho de 2009 às 10:09
Simplesmente fantástico , não há palavras. Continue ....
De Lampejos a 27 de Julho de 2009 às 03:15
"tempo de viver"

... dando voltas em carrossel
com beijos

O tempo do brilho nos olhos
dos corpos
da cama

Do fugaz
Da conquista

O tempo do parto
do café
do choro
do riso

Tempo de se agarrar
e montar outra vez no carrossel

Tempo de areia
de sulfato
de cobre
de prata
de zinco

Do prumo...
Tempo de batimentos fortes
do não se esquecer "em cada momento que passa"


Tempo do desterro
De sonhos e amapolas

De luta subliminal de se "renovar, refazer, recriar, renascer"

De ti...de mim

Tempo de dizer adeus...
com beijos.
De aDesenhar a 28 de Julho de 2009 às 14:31
"o tempo sorve-nos!
o tempo verga-nos!
o tempo cála-nos!"

o tempo de parar para pensar:

se haverá vida para lá da morte
e
porque não...

se há vida antes da morte?!

abraço amigo poeta

De Lampejos a 25 de Agosto de 2009 às 05:56
...

Esta casa está na penumbra
o silêncio do tempo que cala
é quem domina

Ainda assim... posso escutar tua respiração calma
....quase posso adivinhar os teus sonhos" na noite onde se reconstroem os sonhos despedaçados".

Belas tuas palavras, poeta
...mas muito mais belo
é este que estar do outro lado das palavras


Se o tempo de viver... então vamos em frente...(?!)

[obrigada pelo comentário...]


(a)braços,flores,girassóis...:)
De Tchi a 31 de Agosto de 2009 às 23:34
Sair fora do tempo para viver d'alma o SER.


Gostei deste latitudes.


Parabéns.
De Lucelena a 6 de Setembro de 2009 às 00:10
desculpe-me "roubei" teu post e a coloquei no meu blog ....eu A-D-O-R-O o seu blog ...sou do Brasil.
De maria josé quintela a 6 de Setembro de 2009 às 16:17
sempre o tempo que nos foge...e no entanto nós vamos com ele. ele ficará. nós não.

gostei de viajar até esta latitude de poesia e música encantatória.

obrigada.
um abraço.
De gabriela rocha martins a 9 de Setembro de 2009 às 16:29
guardo a saudade do teu poetar......

....até quando?




.
um beijo

Comentar post

.João Ramos


. ver perfil

. seguir perfil

. 4 seguidores

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

oferecido por...(clica no selo)

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS