Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

Identificação in.Consciente

Tudo que nos é inatingível, confuso e desconhecido deve ser visto como um desafio ao nosso crescimento emocional… Devemos começar por desbravar as nossas penumbras interiores para que o caminho até ao outro se faça mais iluminado.

A consciência revela-se na clareza das coisas; na transparência possível dos pensamentos; na exactidão do gesto que devolvemos; na forma como nos descobrimos… como nos revelamos…

Pensar antes de agir… Reflectir o acto para um reagir consciente, denota lucidez e serenidade… atributos de quem poderá ser qualificado pessoa emocionalmente inteligente.

O pensamento é a energia capaz de acender e reacender todas as estrelas que iluminam o nosso universo interior… energia que transforma, também, o que nos rodeia… essa candeia: cadeia de brilhos cósmicos que valorizam a insignificância do nosso efémero saber…

Contudo, querer mecanizar comportamentos; sistematizar e uniformizar pensamentos, naturalmente indomáveis e incontroláveis, em seres complexos e anti-sociais é certamente uma utopia… uma demonstração de fé do homem no Homem, como Ser que caminha rumo à perfeição que “jamais” existirá… Vivemos as antíteses e antagonismos que movem esta grandiosa e tão magnífica Máquina da Vida. Vida que segue o seu curso…cruel e generosa!

Os processos de classificação de carácter, são conseguidos através de questionários elaborados por psicólogos para ajudar a perceber a mente e o comportamento humanos… mas qualquer que seja a classificação… a rotulagem nunca encerrará o carácter de um indivíduo, pois que um pouco de cada um de nós caberá em cada um desses rótulos.

Estas novas ferramentas de selecção não natural… são instrumentos que também podem ser vistos como indutores de discriminação e marginalização… Corremos o risco de criar guetos de Incapazes Emocionais a quem será vedado o acesso ao alinhadinho mundo dos “Inteligentes”…

O Homem para crescer emocionalmente terá que ascender ao mais alto grau da solidariedade; da tolerância; da compreensão… mais uma dessas utópicas efabulações que nos anima a vida: amar e sonhar!

Seremos capazes de nos encontrar nessa realidade?

A inteligência é considerada a nossa maior virtude. Mas, vítimas da nossa própria inteligência (ameaça global), julgo ser também, ou só, a nossa maior fragilidade.

 

publicado por Latitudes às 17:40
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Nanda a 19 de Dezembro de 2008 às 20:01
Não há como não refletir nas tuas palavras tão lindas, mas tão cheias de conteúdo e profundas...
Parabéns POETA
Continua a deliciar-nos com a tua escrita
Um grande Abraço
De Lampejos a 19 de Dezembro de 2008 às 20:55
Poeta,

Passamos pela vida cumprindo etapas e nem sempre damos espaço ao novo. Medos, dúvidas, incertezas diante do desconhecido faz com que muitas vezes nossos passos fiquem travados.

Porém, olhando para cada pessoa que cruza meu caminho, mesmo que virtual, fortaleço assim... a certeza do querer que o mundo vá muito mais além, ultrapassando os próprios limites mundanos, as limitações encontradas pelos obstáculos impostos, e com uma agilidade estouvada para não deixar de apreciar a paisagem local.

Na verdade, quando olhamos o que está ao nosso redor aguçamos nossos dons e talentos e vamos descobrindo o que nos agrada e desagrada e neste exercício pessoal, descobrimos onde queremos chegar. Desenvolvemos metas, ampliamos horizontes.


A vida acontece dentro dos centros acadêmicos, tanto quanto fora deles. Então, enquanto estudarmos o comportamento humano, defendendo uma tese ou não, mas como um todo que precisa ser conhecido, estudado, ganharemos sempre...
Acredito também que quem consegue, de fato, aprender, será o que irá transmitir o conhecimento adquirido amanhã, será facilitador do conhecimento. Estará engajado no processo de melhoria de vida, um cidadão pronto para contribuir com o seu País e quiçá com o planeta.

Sejamos realistas façamos o impossível.... Dentro da impossibilidade realista, existem mil e uma possibilidades desconhecidas. Só descobrirá quem se aventurar com audácia o suficiente e pagar para ver. Mergulhar fundo em busca do conhecimento, mais que uma meta, um dever. Somente ele torna os homens livres!

Espero ter contribuído com minha simples análise ao seu MAGNÍFICO texto.

[obrigada]

Bom fim-de-semana!...

(a)braços e flores:)
De Lampejos a 19 de Dezembro de 2008 às 21:22
errata.

quis dizer: mudando.

Desculpe-me, sim?

;)
De gabriela rocha martins a 23 de Dezembro de 2008 às 00:28
a absoluta [in]certeza do SER

.
.
.

FELIZ NATAL


.
um beijo, João
De manuela a 28 de Dezembro de 2008 às 14:57
Belíssimo texto João. Passo para te dizer que sou tua amiga e podes contar sempre mas sempre comigo. O teu texto é um simbolismo de tudo de ti. Da tua verdade e daquilo que sinto que tu verdadeiramente és. Os meus parabéns e o meu forte incentivo para que escrevas mais mais e muito mais. Tu és um poeta dos grandes e isso é a verdade de ser e de se viver. Ser poeta... é ser mais alto... é se maior do que os homens ... e isso tu és! Sem qualquer sombra de duvida. Um XI CORAÇÃO! Manuela

Comentar post

.João Ramos

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

oferecido por...(clica no selo)

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS