Sábado, 3 de Maio de 2008

e t e r n a m e n t e !

regressarei, talvez, mais intensamente

a esse lugar de luz que me fascina...

procuras revelar segredos

em meu corpo diáfano

prazeres que não cessam

possuído que estou por todo o teu desejo

quero ser fêmea e afogar teu beijo

num doce entardecer

em minha boca ardente

quero amar-te para sempre

e t e r n a m e n t e !

publicado por Latitudes às 06:25
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De s.a. a 3 de Maio de 2008 às 21:46
Uma melodia
(viagem indescritível...)
Começa e meus olhos fecho...
Em ti, estou,
Saboreio cada pedaço
Desse teu corpo quente
Num desejo por ti despertado!
Descobres, reavivas,
O meu desconhecido
Percorres-me toda!
Transpiro-te!!
Perdidos...
Neste amor, nesta paixão
Em que o tempo se esquece
E tudo é eterno

...Sem palavras, Poeta!... Deixo-te um textinho meu, apenas...
Um Abraço... Eterno...
De Ceu a 4 de Maio de 2008 às 13:48
Eternamente bela a tua poesia poeta...continua com esse optimismo, vencerás!!!Um eterno abraço
De Lampejos a 4 de Maio de 2008 às 22:25
Poeta,

Inevitável.

Minha boca se curva em um dos teus sorrisos preciosos quase sérios. A tua poesia,...Poeta!

Nossos sorrisos encontram-se sempre...pelas esquinas o tempo todo.
No doce suave encanto...da beleza das tuas palavras!

(a)braços e flores :)
De gabriela rocha martins a 6 de Maio de 2008 às 22:20
a finitude traduz.se num beijo eterno

quando o poema se faz

luz


.
um beijo
De Carol Barcellos a 20 de Julho de 2008 às 22:25
Ser fêmea? Uau, isso foi ousadamente criativo! Maravilhoso o poema. Dei uma lida em outros poemas, e gostei da intensidade que encontrei por aqui. Para mim, a intensidade é um dos requisitos necessários para a boa poesia!

Beijinhos doces cristalizados!!! ;o)

Comentar post

.João Ramos


. ver perfil

. seguir perfil

. 5 seguidores

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

oferecido por...(clica no selo)

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS