Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008

miragem...

porque fazes de nós tanta cegueira

que não permite senão imaginar-te?...

talvez porque tanta gente diz crer em ti

eu falo  como se existisses de verdade...

mas creio realmente tu tivesses desistido...

 

o que é isso de seres maior?... de seres

mais alto e intocável?... o todo poderoso!...

jamais serei ao pé de alguém verdade viva

se não estiver entre outros à mesma altura

não abdicarei da igualdade  mesmo que

imposta a ignorância...

mesmo que exista pouco concreta essa distância

que faz de nós desconhecidos.

falar de ti mesmo sabendo que só  eu

existo de certeza...

faz de mim uma incessante dúvida e de ti

um não sei quê de incerteza...

 

não crio estrelas nem montanhas

mas contemplo-as!

não crio homens animais

mas tento respeitá-los

repugnantes e abjectos somos nós

à tua imagem

e a tua vida como a nossa

só repousa na miragem.

publicado por Latitudes às 13:09
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008

FotoGrafias...

As janelas degradam-se, nas velhas fachadas podres… sofrem!..., aos olhares de quem as sente moribundas:… a imediata falência; o sucumbir de uma geometria já cansada e gasta de olhar a rua imediatamente acima do paralelo, do granito da calçada… Ah! Poder ser outra a perspectiva!... Empenas esventradas pela corrosão do tempo; arquitecturas erodidas pelas intempéries ácidas de muitas meteorologias hostis. As vidas que ocultam ou já só mortes sepultadas. E as almas que partiram pelo saguão… ascenderão ainda nas escadas?!... Os mortos de amanhã albergam em si os cancros que hoje perpetuarão o sofrimento. Quero esquecer tudo! Quero lembrar tudo!... Quero esclarecer, acima de tudo, o nosso mito…. Animais de montanha errando numa cidade de claridades artificiais. De onde sobressai a sombra da indiferença; a divergência assimétrica da barraca; a casa desigual do sem-abrigo; um complexo habitacional desurbano e desumano, que encerra a clandestinidade dos exilados da fome. Um realodrama fechado em condomínio de lata. Refúgio onde a pobreza se multiplica vezes sem conta.

 

A paixão?...: Não mais do que um saudosismo do inalcançável; de tudo que não se achou e se acha perdido. A imagem que me persegue. A imagem dela persegue…-me nas paisagens e nos sons desencontrados que chegam à escotilha móvel do comboio…. A caminho da tua casa, da minha casa, da nossa rua, do nosso sub-mundo quente e acolhedor.

À minha direita sempre o rio que sempre te reflecte imensa!...

 

Gentes caladas e pensativas. Cismando, quem sabe, na exaustão do ferro; no cansaço desejado do regresso… o avesso da partida; na troca de um olhar: a dádiva conseguida…

publicado por Latitudes às 19:25
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2008

as palavras vitrificam...

Kathe Kollwitz 01.jpg

as palavras vitrificam

no verde da agonia!...

reflexos interiores

que se quebram como espelhos

à surdez do grito

 

olhar despedaçado

pelo estilhaçar do silêncio

de quem aflito responde

a uma qualquer repressão

a intenção sedutora da liberdade

a violência da vontade de não calar…

esculpida na expressão dilacerante da afonia

a fisionomia da tranquilidade explosiva de uma nebulosa

a estridente melancolia dos sem-voz

o desespero de quem como nós

se exprime a qualquer preço

 

o que mereço… é só loucura

é só alucinação cósmica:… a cor irreal

da insanidade latejante de um pensamento

frio no infinito padecer da alma

no vórtice desse outro inferno que nos aclama

matéria para combustão e sofrimento


imagem: Kathe Kollwitz

publicado por Latitudes às 00:27
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

cintilações...

poder pensar assim é como

ter todas as janelas abertas

ausente que está a casa de onde partimos

a claridade que despertou em nós

crianças breves…

jamais esquecidas

pensar…

reflexo húmido e cristalino

de um olhar atento à liberdade…

esse pequeno universo de memórias

que nos provoca pranto que nos

repõe alento

lugar onde se refazem de novo auroras

o caos de onde queremos despertar...

 

penso, como tu,  as cintilações

do néctar raro de nossos sonhos

publicado por Latitudes às 19:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Domingo, 13 de Janeiro de 2008

beyond the love...

beyond the love

beyond the sadness of "graysy" days

your paradise keeps me alive

the sun will raise your smile

always

by Latitudes

publicado por Latitudes às 22:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 8 de Janeiro de 2008

a p e t e c í v e l …

 

 

até que esses momentos intensos me esgotem a ansiedade

e o terror de adormecer antes de te tocar me cristalize a

ideia e o movimento…

até que o teu amor seja o mesmo infindável sentimento…

até que o cio meu corpo animal desperte então…

e a tua forma de estar só, reduza a dois a solidão…

 

aguardarei o estio amadurecimento da espera…

porque sei na tua indecisão haver também uma oculta

 

e apetecível Primavera.

 

imagem: Stanislav Istratov 

publicado por Latitudes às 18:38
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 5 de Janeiro de 2008

i n t e r v a l o …

 

é revigorante e inspirador…

poder, por vezes, participar nesses breves momentos em que se inscrevem os teus mais delicados brilhos… tremulações esplendorosas de teus olhos contemplando apenas uma estrela num universo de cintilações infinitamente sedutor... palavras que acaricias com suaves e prolongados gestos onde revelas os teus afectos… fragrâncias amenas como os dialectos das flores que me ofereces ao anoitecer

é apaixonante quando posso partilhar da tua comoção… é enternecedor quando te acalma o meu abraço e te secam as lágrimas meus lábios absorventes

é-me benigna a forma que sempre encontras para me segurar em tua boca depois de uma fúria... é terno o teu abraço… é quente e doce esse espaço onde me acolhes

velo tuas insónias… porque é noite… porque é tarde, talvez, este pequeno intervalo em que te desejo e acredito…

 

porque é longínquo, talvez, o lugar onde te amo…

 

 

imagem: © Emil Alzamora

publicado por Latitudes às 18:47
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

Desafio...

invade a aparente
irracionalidade do traço
que se mostra exacto…
pensamento
que se deseja concreto
mas não domino
sonho…
caminhar anguloso
no caos da vida
de amor erguido
como bandeira…
caminhos que se entrecruzam
no limiar da humanidade…
pela nobreza do xisto
insisto no purificar da água
que nos renova
sonho…
navegar afluentes
e desaguar na foz
de um qualquer paraíso…
meandros de um rio sem destino
onde deslizo nesta demora
sonho…
olhar de aprumado encanto…
a insignificância que me apavora
eu!... coisa nenhuma
perdida a consciência
ao fim de um dia…

.

quem irá superar meu traço?
espero-vos à embocadura de um
despertar mais casual
pois que já perdido vou
nesse destino…

 

 

publicado originalmente em adesenhar

publicado por Latitudes às 17:41
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.João Ramos

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

oferecido por...(clica no selo)

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS