Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

Amor...

não há mar
que chegue à tua imensitude
não há no céu estrela
que tenha o brilho teu
não há no mundo
amor como esse que só meu
maior que qualquer astro ou planeta
não há capaz palavra nem poeta
que possa descrever
um amor meu!

publicado por Latitudes às 20:52
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007

N o v e m b r o ...



Novembro

Outono adentro

estação onde espero

o regresso florido da

Primavera onde me ausento



imagem: Daniela Treymann 

publicado por Latitudes às 14:46
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

um abraço amigo...

 

Resposta dialéctica à poética de João Ramos

por Luís Nóbrega

 

 

Não é por haver ramos, e até muitos, que se poderá podar às cegas.

 

Ainda hoje falávamos das varas, das hastes, dos rebentos descobridores que são como antenas sensíveis da terra-mãe. Enfim; eu dizia, com a minha pseudo-incongruência rural que às vezes passa por conhecimento vegetal, intuitivo, é claro, dizia então que se devem cortar os torcidos, os meleados e os ladrões, (e depois falo contra os ditadores), mas mesmo que se cortem nos trâmites da arte e atendendo à especificidade cástica das cepas centenares parece que nada resiste à “cáustica genética” trespassando a constancidade do “pesadelo”. O teu, e o nosso também quando no-lo mostras.

Consciente de uma memória quase esmagadora, feita de vácuo peso irrespirável, já quase desistente de “acordar corações” mas que ainda ilumina azuis esfomeados de gente de olhos, de olhos em frente.

Em frente, a urgência parece ser cada vez mais quando... quando se corre, se grita, se procura uma vitória colorida, e se luta rodeado de repressão colectiva, electiva, contra a pose espampanante da vaidade, aqui a «certeza» torna-se viagem vã e estéril, “cada vez mais” inicias “Latitudes”, com longitudes e marcas rotas num mapa astral onde a viagem, a tua, leva ao sono dos cansaços com sorrisos que se ouvem.

Ouviste então a gente que não foge de ser só gente e olha de frente a criança que ainda não soube ser.

“então”; “frente a frente” remexendo, remoendo labirintos de caminhos cruzados em momentos quase parados porque “há janelas deformadas pelo tempo” no renovar da imagem o espelho vibra convexo, desconexo de desistências, complexo de vontades e é precisa toda a coragem para chegar até ao sorriso.

Ah! Também comes, bebes, e dormes e o mais que é preciso para ter uma utopia. São os ramos meleados de, sei lá, um dia, dois, de toda uma primavera, que só sonhavam em ter algumas folhas encostadas à telha antiga. Uma utopia de frescura mineral.

São viagens tais como as das “mãos impossíveis” que te acompanham as sedes, as fomes, em tudo em volta, o que gira, o que há, o que achas longe, o que com a “débil palavra” gritas, gritas.

Talvez para “nunca sentir o Inverno”.

No entanto, num movimento infinitamente mineral encontras harmonias. Porque pressentes ausentes de rostos marcados, paralíticos da alma, tão impenetráveis e duros que achaste melhor e mais alto ir “escrever pedra”.

Que “situação”!?

Novamente insistes no azul. Na tepidez da ternura feminina; depois serena; depois cálida; ternura húmida, tens razão: o húmus é tudo, é terra palpitante, é fonte de todos os sabores, de todos os cheiros, dos únicos gestos verdadeiros, é, acima de tudo, a própria vida (com vida própria), esperança que importa repetir. Insistamos na esperança.

(em resposta caquéctica à arte poética do Ramos, ripostamos: - “os homens “ não “estão desertos”, estão sozinhos em espaços terrivelmente abertos e têm medo de soltarem gritos certos.)

As “gentes pequenas” podem ter as montanhas que lhes dás, que lhes inventas, que sonhas e contas, que fotografas do cimo das nuvens mensageiras, com as quais passas com as tuas “asas verdadeiras” e então entregas à gente “montanhas inteiras”.   

(Poeta não serás? Então que dirás?)

Que dirás quando as palavras não tiveram dedos, nem mãos, nem braços, nem língua, nem pernas, nem narizes, nem pestanas carregadas de letras e mais letras repetidas, renovadas, redimidas, reparadas e ás vezes paradas mas

Poeta serás sempre em qualquer dia enquanto houver um gesto que te “invada poesia”.

Só é quem se permite ser, por entre incertezas, verdades amargas, ilusões, solidões, sensações, decepções, alegrões, chorões, (lá estou eu com a mania dos rimões), não, não e não, afinal, mas sem final, só sente quem se consente sentir. O tempo que diga o resto.

Que é isso de te expropriarem um silêncio?

Por mais águas que passem e que os lugares mudem jamais conseguirão amputar-te os regressos.

(É uma frustração não saber falar de amizade, vou andando, se podendo vou-me podando.)

Os amigos deveriam ser como as árvores, crescem, morrem ou definham à sombra de um qualquer muro que a vida lhes pôs ali, também se transformam, mas, renascendo, em cada primavera volta, intacta, a memória de cada nervura de cada folha, de cada verde, do mesmo verde, da mesma dança com o vento, do mesmo fruto com o mesmo sabor

 

publicado por Latitudes às 20:25
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

ouso buscar poesia...



ouso buscar poesia

na compartimentação dos quartos

das sedas a arquitectura

concêntrica e exacta do poema

onde dorme o silêncio

onde flui insinuante o

pensamento agitado da insónia

onde apenas e só

as paredes verticais alinham

nas arestas

horizontes próximos e possíveis

do levitar primordial da cama

transcende-se o que resta dessa

alma incerta que busca

uma outra mais concreta e


sublime

publicado por Latitudes às 00:30
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Domingo, 25 de Novembro de 2007

renascer...



toda Tu

imensa És

tão grande Poetisa

do nada

teu verso amor

se eterniza

rio de onde havemos

hoje renascido…

 

se a minha voz for

brisa que agora sintas

sussurrando ao ouvido…

a minha mão sentires, quente,

instigando o verso

 

serei…

tentando apenas

compreender a dimensão desse

universo que encontrei

em tua poesia

 

quero-me exangue!

extinto o fogo e

a água que somos

no coração da terra

quero olhar contigo a maresia

e renascer no amor

que ainda se espera!



imagem: Jeannie McGuire

publicado por Latitudes às 00:33
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 23 de Novembro de 2007

Nota biográfica...(excerto 7)

Por vezes, tenho quedas ascensões e depressões…

Pela rudeza das palavras que me surgem… a dor da expiração é por vezes irrespirável...

“Existe a falta/ Existe a falha/ Esta ausência humana/ Que me calha/ Que cai em mim/  Saudade grande/ A queda alta/ Funda/ Que me invade/ E acerta/ E faz de mim/ Um ser exangue/ Que do sonho não desperta .../ / Por ser só vício.../ Sinto agora que escrevo/  Pra fugir do precipício.”

“A depressão é um estado sazonal por onde vou vivendo alguns momentos de grande sensibilidade: Uma metamorfose temporária que me possibilita, por vezes, um percurso de contraditória felicidade; Uma ascensão em vez da decadência; Uma procura em vez da desistência e da falência que lhe são comuns....

Mantenho, assim, o que se poderá chamar, uma relação saudável ou pelo menos de algum equilíbrio com essa "maldição" que se mostra, quase sempre, altamente corrosiva para tanta gente...”

“Nem tudo é mau na depressão… quando o regresso é possível sem grandes lesões internas…”

 

A escolaridade insuficiente limita-me. Mas ainda mais o hermetismo a que me remeto.

Sem avisar, a escrita surgiu, por paixão a 1 de Novembro 1998 .

Já pensei fazer uma edição de autor, mas tenho tido muita dificuldade em seleccionar e organizar…“Pensei vender poesia a retalho para não ter o trabalho de construir um livro” (como alternativa vou partilhando...)

“As minhas palavras não são nada!/ Nada trarão, de novo, à humanidade/ Reflexos do olhar na mão cansada/ Não são senão de mim pura vaidade./ / A vida não me deu sexto sentido/ Nem largos horizontes de verdade/ Mostrou-me a força de dizer e ser ouvido / nos sons da poesia que me invade. / / Antes dizer o quanto pesam/ Momentos solitários que enternecem/  Memórias de um presente que foi meu / / Réstias de dor, amor e de saudade/ Mostrando ao largo toda  a eternidade/ Aquilo que é o outro e que sou eu”

publicado por Latitudes às 18:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 21 de Novembro de 2007

ofereço-me



aceito-te tal com és…

da forma como te dás

a mim… inteira!!!

 

teu olhar bastaria.

meu sonho merecido

é bem menos que tudo isso

que me ofereces

 

quero-te!!!

coração, abraço e beijo

esse rio crescendo de desejo

desaguando amor

na mesma sílaba

 

ofereço-me, a ti,

para que me veles

 

quero teu ombro:

meu tempo

de sonhar

tuas mãos

tão generosas!

publicado por Latitudes às 18:32
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 20 de Novembro de 2007

Nota biográfica...(excerto 6)



Vivo ainda uma inocência e uma infantilidade prolongadas pela lentidão do amadurecimento …

Nem mesmo nesta minha “idade do Outono” se apaga o que resta dessa criança eterna. Que a seguir recordo no essencial do texto “Costa do Pombo”:“Sr.ª de Lourdes a rampa subida/ O seu cheiro a mimosa, mimosa florida/ E ao chegar ao cimo/ o suor de verão/ Calção curto vestido/ e pé descalço no chão/ / Com o meu carrinho caminho à partida/ de corda na mão e alcatrão no rosto/ a brisa na descida/ até ao sol-posto/ / Sr.ª de Lourdes mimosa florida/ Ficou para trás na rampa vencida/ /A menina Olga e sua irmã Emília/ Os muitos amigos e a minha família/ E para aprender as letras da vida/ nas orelhas a cana a cana comprida/ As contas de ponteiro e cuspo na lousa/ Cantando: “seca seca marinheiro/Que o teu pai dá-te dinheiro...”/ / Enquanto ao lado um outeiro/ Em mim pousa/ E um ouriço caindo/ Faz uma mossa no chão/ Num manto de folhas sentindo/ Um gesto de solidão”

publicado por Latitudes às 20:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

Nota biográfica...(excerto 5)

A minha estação de referência é o Outono…“é no Outono que a natureza se despe…/ Sem preconceitos”…

A flor que mais gosto?… Não sei, sequer, ainda, o seu nome. Sei da sua florida persistência ao longo de todo o ano… e é isso que me encanta!

Gosto de me sentir apaixonado, enamorado… Porque “É numa ternura de olhares.../ Que perfeito o meu olhar se vê / É no beijo quente feminino/ Que me sonho eternamente ... Pequenino!”

publicado por Latitudes às 21:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 17 de Novembro de 2007

porque te amo...

publicado por Latitudes às 18:29
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Nota biográfica...(excerto 4)

Tenho um interior bucólico com odores campestres activos… mas, infelizmente, vou tendo que sobreviver, diariamente, à acidez urbano-depressiva. “ Buscam felicidades algures no progresso…. E eu à procura de um regresso à cidade que perdi.” “ a cidade é bem mais calma vista a esta distância”

 

Vivo, em comunidade, a marginalidade do ermita… na minha escrita…“… a incomunidade possível comunicabilidade artesanal de um leigo, quase analfabeto que sente a pressão incomedida dos limites, do tempo que quase não resta. A falta de abertura nos horizontes cada vez mais sem sorriso. Ausência quase esquecida! Ou quase lembrada… fronteiras da minha terra onde eu não sou nada!”

 

Para suportar a “caustica genética” deste “pesadelo constante” …

É muitas vezes ao húmus que vou buscar a verticalidade das grandes árvores e a paciente atitude perante a agressividade do tempo numa postura guerreira contra todas as intempéries.

“Tudo em nós é terra.. Tudo vibra ao vigor dessa emoção geológica persistente. Tudo é mar e um pouco do seu sal…Tudo arde em nós de extrema incandescência” tudo é fogo e alma e chama “O que mereço… é só loucura/ É só alucinação cósmica :… a cor irreal/ Da insanidade latejante de um pensamento / Frio no infinito padecer da alma/ No vórtice desse outro inferno que nos aclama/ Matéria para combustão e sofrimento”

“Não são azuis/ os corações que sonho./ / O ódio podre neles contido/ ferve a cáustica genética/ vazando a hereditariedade de gerações/ mantidas em pesadelo constante./ / Neste pesadelo meu.../ não são corações/ os azuis que tenho/ com urgência/ de acordar...”

publicado por Latitudes às 12:09
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007

Nota biográfica...(excerto 3)

Gosto do oceano. Mas o meu mar é de montanhas… O rio hidrata esse percurso que me leva nessa “errância”… Sou um ser à deriva na vida que passa depressa pela lentidão dos meus dias: “sonhei ser artista/ a inércia não me deixou/ definho no letargo que sou/ porque a vontade é demais/ e não consigo contrariar/ o desespero em que me encontro.// a minha cabeça  confusa,… pesada/ a guerra que não vou vencer…/eu próprio!”

publicado por Latitudes às 15:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 15 de Novembro de 2007

Nota biográfica...(excerto 2)

Gostaria de ter sido cantor, actor… mas admiro muito o Pastor. Esse ser “solitário”.

“ onde estará essa porta que não encontro? por onde andará perdido o meu rebanho?”

“vou-me por emanações como gado bravio(…)movimento perpétuo das minhas raízes… minha extrema fixação à terra… minha mãe… meu lugar de sempre!” “ vou no desespero gasto do silêncio/ aguardando a chegada da ternura!/ e porque o frio espacial gela!.../ / vou lançando à terra  os astros/ que fertilizam a minha/ árida semeadura…”

publicado por Latitudes às 19:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 14 de Novembro de 2007

Nota biográfica...(excerto 1)

"

A situação levou-me a sair de latitudes mais baixas e a procurar abrigo em latitudes menos poluídas de gente que não é..." escrevi um dia.

 

Incomodam-me as pessoas que agem como se fossem “maiores”. Há quem diga que é complexo de inferioridade. Há quem diga que é de superior arrogância. Mas não!... É sim um complexo de igualdade … Mais uma dessas patologias raras de que dificilmente me libertarei.

 

“Jamais serei ao pé de alguém verdade viva se não estiver entre outros à mesma altura”

 

“Quando para falares com uma criança conseguires ajoelhar-te e olhá-la de frente… Quando souberes ser Gente!...” É nesta postura de olhares horizontais que eu me revejo e vejo a sua perpendicularidade... É nesta humilde condição de utopicamente nos ver todos ao nosso melhor nível que eu habito um mundo desejado e desejável... Uma irrealidade concretizada apenas nas minhas viagens à minha geografia interior.

 

“as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante”

 

publicado por Latitudes às 19:05
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 12 de Novembro de 2007

f l u t u a ç ã o …



poderei chamar-te meu amor?

que assim me toca essa distância…

regresso inebriado a essa flor

como borboleta que procura sua fragrância…

ondulante flutuação um mar imenso

de onde embarcado surjo

navegador de mares desconhecidos

ignorando tempestades ventos perdidos 

derivando com exactidão na linha incerta

um novo horizonte que me prende e que

se estende em colisão com a minha rota…



imagem: © Adam Wawrzyniak

publicado por Latitudes às 13:21
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Domingo, 11 de Novembro de 2007

p o l i n i z a ç ã o ...



não importa

por quanto e o que esse tempo

nos possa conceder

vivamos com intensidade

este amanhecer

sem anteciparmos culpas

pelo que de nós… possa levar

vivamos como se frágeis nos

pudéssemos quebrar

à ausência desse encantamento…

vivo! como se frágil me pudesse

quebrar à ausência da tua floração

certo de que irá

permanecer doce essa brisa

em nosso pensamento

por muitas mais

polinizações



imagem: © Aria Baró

 

 

 

publicado por Latitudes às 21:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007

sincronia cósmica

A ideia surge para que a agarres com obsessão. Surge como qualquer sincronia cósmica: um sopro num dente-de-leão… Impulso neurológico não rejeitado pela mão obediente que lhe prolonga uma visível e tímida ambição… Aragens de liberdade e de conquistas simples. Lugares cativos para todas as palavras que convergiram e não couberam noutros lugares… (não encontraram outros amores) nesses espaços mortos de ausência extrema e infinita… noutros buracos; noutras falhas; noutros vazios… noutras viagens (desa)rumadas… ou exactas, nos trilhos alinhadinhos dos comboios. Na rebelde adrenalina das rotas oceânicas… nas migrações de liberdade dos navios.

Mário João

publicado por Latitudes às 18:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007

a c r e d i t o ...

Jack Spencer 03.jpeg

 


acredito
na solidez do que nos une
na transparência do que nos separa
por isso te vejo com tanta nitidez

a sensatez de um olhar maduro
que apenas descreve
a exactidão do traço
a profusão da cor
o inebriante intenso dos aromas
a perfeição da volumetria das pétalas
a suavidade do umbigo
que me liga ao teu interior
e o sol...

 

que há lá dentro!...
.
.


imagem: Jack Spencer

publicado por Latitudes às 19:35
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 6 de Novembro de 2007

not bad as it seams...

not bad as it seams

not always fully happy

not always tenderly dreams

my strength follows the wickness of the breath

the sadness of the day agreed

and the words, hopeless, stays above

of the love that you need

publicado por Latitudes às 23:02
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 4 de Novembro de 2007

na incerteza da tua boca...

na incerteza da tua boca...

no monólogo da minha solidão etérea... procuro-te!!!

voz sublime que me possa resgatar

publicado por Latitudes às 14:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007

e n v o l v i m e n t o ...

© Anna O. 04.jpg

 

"Deito [me] em todos os [teus] dialectos no

instante exato em que o silêncio se impõe e

aconchego [me] preguiçosamente no sublinhar

preciso dos teus versos."

By Lampejos

 

quem poderá resistir aos teus encantos e

ao ímpeto ligante e atraente das tuas palavras

sem o reflectir com ternura… com paixão?

 

vivo também apaixonado pela poesia que te é intrínseca

por essa que és acima de meus versos aconchego

lugar onde sonho permanecer

saboreando lentamente a seiva do teu doce e

inesperado acolhimento…

deixo-me envolver pela modulação de tuas carícias

até à exaustão do tempo

num singular envolvimento espiritual

... quero sublimar essa exacta geometria

ao etéreo da tua sensualidade feminina afluir

num deslumbre acima da razão

como quem te vê e sente

 

 

Flor de Outono!

 

 

 imagem: Anna O.

 

 

publicado por Latitudes às 18:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 1 de Novembro de 2007

Flor de Outono!

© Anna O. 05.jpg

 

 

 

assinalo o nono aniversário das “palavras que eu vivi”

e que vou vivendo… à procura de me poder colher

ainda mais maduro

 

 

envelheço! esperando, à beira rio, que

chegues na corrente ainda a tempo

de me amar…

 

Flor de Outono! viva a sua cor

de Primavera

borboleta branca que encanta o

meu tempo de espera.

  


imagem: Anna O.

publicado por Latitudes às 22:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.João Ramos

.pesquisar

porque a riqueza está
na diversidade...
não à uniformização...
"as imagens possíveis.../ neste lugar ao sul no meu/ interior nordeste/ uma viagem à minha / geografia interior/ lugar onde sou e que sou, sempre!.../ ainda que em Latitudes ausentes/ buscando uma longitude constante” Mário João Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


com a ferramenta possível... possivelmente o melhor de mim

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.links

oferecido por...(clica no selo)

.Carmen Ayerra

fiquei deslumbrado com esta pequena bruxinha... mágica poesia que se lança como um feitiço aos olhares mais desencantados...
fado português... fado meu... vida minha...
RSS